quarta-feira, 22 de março de 2017

Resenha: "Apostrophe" - Frank Zappa


Há 43 anos...

Com apenas oito anos de iniciação no mercado fonográfico,o maestro Frank Zappa, como gosto de chamá-lo, já lançava seu décimo-quarto álbum, o curto, todavia excelente "Apostrophe".

O disco é a cara de Zappa. Digo isto pois ele apresenta uma característica das mas marcantes de Frank: a surpresa, a arte de indicar seguir por um caminho e nos remeter a outro.


Isso fica claro nas quatro primeiras canções do álbum, que nos insere a uma história, fazendo-nos pensar que estamos a ouvir um trabalho conceitual. Ledo engano.


Coisa de gênio. Em "Don't Eat The Yellow Snow", "Nanook Rubs It", "St. Alphonzo's Pancake Breakfast" e "Father O'Blivion", temos mesmo uma histórinha embebida em bom humor zappiano e rebuscada pelo seu jazz fusion embluesado.


Essa parte reflete um sonho que o autor teve, em que nele era um esquimó chamado Nanook e sua mãe o alertava para não comer a never amarela, pois essa continha o mijo dos huskies siberianos. O grande barato da música que abre o disco é seu tempo ser quebrado, em 7/4.


Na curtinha, mas interessantíssima "St. Alphonzo's Pancake Breakfast", o grande destaque vai para o xilofone da percussionista Ruth Underwood.


Findada a historinha, eis que ouvimos uma das mais famosas canções da carreira de Zappa, a também lançada em single e largamente executada ao vivo, "Cosmik Debris, marcante pelas vozes femininas e o fusion requintado por efeitos percussivos.


Mais adiante chegamos à faixa-título, uma parceria com o baixista do Cream, Jack Bruce, que dá o seu ar da graça na gravação. Uma verdadeira aula de música instrumental e sobretudo de distorções, enorme categoria do maestro.


Podemos pensar que "Apostrophe" é o auge do trabalho, mas este ainda nos reserva duas maravilhas: o blues repleto de groove jazzístico "Uncle Remus", canção anti-racismo, que conta com o piano introdutório do grande George Duke; e um final tipicamente zappiano, com uma canção sobre o chulé e outras coisas as quais apenas artistas desse naipe poderiam retratar numa música, música está com excelente levada de blues e show percussivo.


Concluindo: um primor!


Salve maestro!


E como diria (ou bradaria) John Lennon:

"ZAPPAAA!"


OUÇA AQUI

PARA COMPRAR: CD LP

Eis o tracklist:

1. Don't Eat The Yellow Snow
2. Nanook Rubs It
3. St. Alphonzo's Pancake Breakfast
4. Father O'Blivion
5. Cosmik Debris
6. Excentrifugal Forz
7. Apostrophe
8. Uncle Remus
9. Stink-Foot.

A banda:

Frank Zappa - voz, guitarra, baixo e bouzouki
Lynn – voz, backing vocals
Kerry McNabb – backing vocals
Ian Underwood - saxofone
Ruth Underwood - percussão
Sal Marquez – trompete
Sue Glover – backing vocals
Jim Gordon – bateria
Aynsley Dunbar – bateria
Tom Fowler – baixo
Napoleon Murphy Brock – saxofone, backing vocals
Robert “Frog” Camarena – voz, backing vocals
Ruben Ladron de Guevara – voz, backing vocals
Debbie – voz, backing vocals
Tony Duran – guitarra
Erroneous – baixo
Johnny Guerin – bateria
Don “Sugarcane” Harris – violino
Ralph Humphrey – bateria
Jack Bruce – baixo em “Apostrophe”
George Duke – teclado, backing vocals
Bruce Fowler – trombone
Jean-Luc Ponty – violino