quinta-feira, 23 de março de 2017

Em raro momento, Bob Dylan concede uma grande entrevista


Prestes a lançar seu 38º álbum de estúdio, "Triplicate" triplo que aglomera grandes stardards americanos e chegará no dia 31 próximo, o mestre falou ao escritor Bill Flanagan sobre alguns temas em entrevista.

Veja alguns trechos:

Sobre as canções de "Triplicate":

"Essas canções" são algumas das coisas mais dolorosas já gravadas e eu quis fazer-lhes justiça. Agora que eu vivi e sobrevivi a elas, as entendo melhor. Elas te levam para fora do mainstream opressor onde você está preso entre diferenças que podem parecer diversas, mas são essencialmente o mesmo. A música moderna é tão institucionalizada que você não percebe isso. Essas canções são frias e perspicazes, há um realismo direto nelas, fé na vida ordinária, exatamente como no rock and roll do início."

Sobre Nostalgia:

"Não há razão para olhar para trás com tristeza. De 1970 até agora foram quase 50 anos, parecem 50 milhões. Há uma parede de tempo que separa o velho do novo e muito pode se perder nesse período. Indústrias inteiras se vão, estilos de vida mudam, corporações matam cidades, novas leis substituem as velhas, pessoas se tornam commodities. Influências musicais também - elas são engolidas, absorvidas por coisas mais novas."

Sobre Frank Sinatra:

"Eu acho que ele conhecia The Times They Are A-Changin' e Blowin' in the Wind. Eu sei que ele gostava de Forever Young, ele me disse isso. Ele era divertido, nós estávamos [um dia na sua casa] no pátio à noite e ele me disse, 'Eu e você, companheiro, temos olhos azuis, nós somos lá de cima', apontando para as estrelas. 'Esses outros mendigos são daqui de baixo.' Eu me lembro de pensar que ele poderia estar certo."

Sobre Joan Baez:

"Ela era diferente, quase demais para mim. Sua voz era como a sirene de uma ilha grega. Apenas o som poderia te enfeitiçar. Ela era uma feiticeira. Você teria que se amarrar no mastro e tapar as orelhas como Ulisses para não escutá-la. Ela te faria esquecer quem você é."

Sobre o Rock and Roll:

"O Rock and roll era uma arma perigosa, prateada, ele explodiu na velocidade da luz, refletia os tempos, especialmente na presença da bomba atômica que lhe precedeu por alguns anos. Naquele tempo, as pessoas temiam o fim do mundo. O grande embate entre capitalismo e comunismo estava no horizonte. Nós víviamos sob uma nuvem de morte; o ar era radioativo. Não havia amanhã, a qualquer dia tudo poderia acabar, a vida era barata. Esse era o sentimento da época e eu não estou exagerando. O rock and roll te fazia esquecer o medo.".

Leia a matéria na íntegra no ESTADÃO

PARA COMPRAR: CD e VINIL