segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

"La La Land: Cantando Estações" e fascinando olhos e ouvidos



Ir ao cinema muitas vezes pode significar dar um simples passeio e obter algum entretenimento. Mas não foi o meu caso ao me deparar com a película "La La Land: Cantando Estações" no último sábado.
Pois não fora somente um passeio a dois com minha esposa, tratou-se de uma profunda experiência dramatúrgico-musical, tamanha a beleza, qualidade e imensamente fantástica trilha sonora e história tenra, sutil, leve e bonita.
Dirigido pelo diretor Damien Chazelle, que já havia acertado e muito em seu último trabalho, "Whiplash" (2014) e estrelado impecavelmente por Ryan Gosling e Emma Stone, o filme é um lindo musical que narra a história dos encontros e desencontros de uma barista aspirante a atriz, sempre tentando ser aceita nos testes para tal que faz e um pianista amante do jazz puro em essência, que vez ou outra vê-se obrigado a sucumbir ao lado comercial do showbusiness, mas sempre perseverando no sonho de um dia poder comandar uma casa noturna onde se toque o mais puro jazz.
O musical conta ainda com a participação do cantor John Legend em seu elenco.
Com uma boa dose de humor refinado, romance e sobretudo, uma trilha sonora requintada, o filme se inicia com uma cena tão difícil quanto espetacular contando com infindos veículos e seus condutores que cantam e dançam numa rodovia bem engarrafada de Los Angeles, sequenciando com canções maravilhosas como "City of Stars", um jazz suave de linda letra e melodia, uma espécie de canção principal da história, ora cantada por Ryan, ora em dupla com Emma, música que já venceu o premio de Melhor Canção no Globo de Ouro deste ano e "Audition (The Fools Who Dream)",outra maravilha sonora, interpretada por Emma.
Dentre tantos pontos fortes, o filme traz à tona o conceito de um velho dilema artístico: manter-se leal aos seus sonhos e influênciais culturais ou render-se aos caminhos mais fáceis e rentosos, mergulhando no mundo pop e acessível?
"La La Land: Cantando Estações" já venceu sete premios na última edição do Globo de Ouro, dentre eles o supracitado Melhor Canção Original, além de Melhor Trilha Sonora (John Hurhitz) e mais cinco outros.
Ontem o filme faturou o premio de Melhor Filme no Premio Bafka (o Oscar bretão) e aguarda o Oscar 2017 com quatorze indicações, empatando com o recorde de Titanic.

Pura obra-prima.

Assista ao clipe oficial da música "City of Stars" e também Audition (The Fools Who Dream) e se ainda não conferiu no cinema, corra e não perca!